A ler, para entender uma agenda errada sobre pobreza e desenvolvimento

Philip Alston, que foi relator da ONU sobre pobreza extrema e direitos humanos, expõe hoje neste artigo no Guardian o erro de perspetiva do indicador de pobreza do Banco Mundial e os seus efeitos na agenda das políticas públicas. Nos meus dois anos no Banco empenhei-me algumas vezes em evidenciar a importância de uma política social compreensiva e não excessivamente focada na pobreza extrema e em sublinhar a criação e estabilização de classes médias como um objetivo de políticas públicas em países em desenvolvimento. Sem sucesso. O foco era a pobreza extrema ou a criação de mercados, pouco passava pelo meio, para além do capital humano, mesmo se em muitos contextos a ação concreta do Banco vai – ainda bem – muito além do discurso que veicula. Se agora mudarmos de perspetiva será muito bom.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s