Sofrer de hereditariedade

1. Numa curta novela de Steinbeck, recentemente reeditada em Portugal, o narrador apresenta-nos um dos personagens assinalando que este, “embora muito rico, não sofria de hereditariedade”. Ao contrário deste personagem há sempre, na vida real, quem sofra de hereditariedade, destacando na sua biografia o que herda quando, por desempenho próprio, pouco tem para apresentar. A consulta de entradas biográficas na Wikipedia revela que há mais perfis deste tipo do que seria de esperar, chegando alguns a ser hilariantes de tanta hereditariedade proclamada. Há, porém, outras formas de sofrer de hereditariedade, menos burlescas mas mais perigosas.

2. Por exemplo, com a narrativa nacionalista. A pertença à nação seduz pela grandeza do coletivo que esta simboliza. Num mundo de nações, sendo em termos comparados a grandeza desigual, ou mesmo escassa, a falta de glória do presente é substituída por um mito da “idade de ouro” nacional, um tempo de glória sem rivais. Sempre que o nacionalismo floresce, a nação é representada pelo seu ilustre passado, mais do que pelo seu obscuro presente, definindo-se como objetivo da ação política a recuperação desse glorioso passado mítico. Como as glórias do passado, reais ou imaginárias, são muitas vezes pouco recomendáveis com base nos critérios do presente, o nacionalismo raramente resulta em propostas de ação bondosas.

3. A direita nacionalista não tem, porém, o exclusivo da valorização da hereditariedade. Sofre de hereditariedade, à esquerda, a afirmação identitária, que celebra os particularismos e afirma, em regra, o predomínio das heranças coletivas sobre as escolhas individuais. No final, as pertenças sociais fragmentam-se, é enfraquecido o sentido de pertença comum à coletividade política e é promovida uma perceção tribal da diversidade. A esquerda só é progressista quando celebra a combinação entre individualização e igualdade. O comunitarismo pode ser de esquerda, mas nunca será progressista.

[John Steinbeck, O Breve Reinado de Pepino IV, Livros do Brasil]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s