Passos de Assis

O Público entrevista Francisco Assis sobre Passos Coelho (não faço a ligação porque o artigo está fechado).

A leitura que o novo Presidente do Conselho Económico e Social faz do Primeiro-Ministro de 2011 a 2015 é uma visão do país e da política. Felizmente que muito provavelmente com pouco eco na governação desta crise em que estamos a mergulhar.

Para Francisco Assis, Passos Coelho optou pouco. Governou sobretudo os condicionamentos externos. E António Jose Seguro devia ter-se oposto ainda menos, mantendo o velho princípio (a que, em abono da verdade, o PS todo tradicionalmente aderia), de viabilizar os governos da direita, se necessário, para não provocar crises políticas.

Esta visão só não tem efeitos destrutivos sobre o PS na esquerda porque é um exercício meramente analítico sem impacto na definição de estratégias para o futuro. Até agora António Costa tem demonstrado, pelo menos no plano discursivo, a intenção de navegar nos próximos anos com rumo oposto ao que está implícito nas palavras de Assis.

Se é verdade um dos pressupostos de que parte, o de que a viragem para a austeridade começou ainda com o governo do PS, na passagem de 2008 para 2010 e se também é verdade que havia imposições exteriores, Assis apaga totalmente o “ir além da troika”, esquece que a estratégia de gestão do Memorando de Entendimento, se concentrou num choque recessivo, que se pretendia tão mais regenerador quanto mais intenso, que contraiu o PIB muito mais que o projetado sem aproveitar qualquer margem para o rever adequadamente em percurso e que a doutrina de política económica da paradoxal “austeridade expansiva” não era uma imposição mas um projeto.

Francisco Assis também opta por ignorar que o governo foi travado nos excessos porque houve pontos de veto na sociedade portuguesa que funcionaram, atribuindo a Passos Coelho uma moderação cujos autores principais foram, entre outros, a própria Constituição e uma abordagem dela pelo Tribunal Constitutional que usou de um extremo equilíbrio, nem impedindo o governo de governar nem permitindo os seus projetos que seriam mais gravosos e a ofendiam nos princípios.

No plano do Estado social, a sua visão é de um contentamento surpreendente para mim. Constata que não foi desmantelado. Mas não dedica uma palavra ao empobrecimento do país, agravado por opções próprias do governo e sendo agora Presidente do CES, não acha relevante falar do congelamento do salário mínimo e do indexante de apoios sociais, nem numa reforma do RSI que levou a que até o FMI então criticasse a sua inadequação para proteger os cidadãos contra a pobreza. Assim não tem uma palavra para a paralisação da negociação coletiva e a adoção de uma solução que levou a que até a CIP pressionasse o governo a retomar as portarias de extensão para manter alguma paz social.

Assis passa ainda por cima da redução da despesa com saúde e educação, de medidas fiscais penalizadoras das classes médias, de um ataque essencialmente interno e ideológico às relações coletivas de trabalho.

A tudo isto junta-se o apagamento das diferenças entre o governo de Costa e o de Passos, procurando não evidenciar nenhuma diferença estrutural de abordagem, como se as “contas certas” do segundo fossem a materialização do projeto do primeiro. Omite que Passos Coelho – no seu último e fatal erro político – arrasou completamente a mudança de rumo e o discurso patético de que ele próprio votaria no PS se este rumo funcionasse.

O apagamento do primeiro governo do PS não é uma distração, é uma necessidade do argumento. Se Assis comparasse os governos, teria que falar de como Costa teve que reagir a pressões da UE nos primeiros orçamentos a que Passos não resistiria. Poderia ter que dizer que em 2016 e em 2017 Passos Coelho teria continuado o percurso que traçara depois do fim do programa de ajustamento e não era ditado por nenhuma troika, mas era de caminho para um programa neoliberal para o país. Poderia ter que comentar a expressa vontade de rever a Constituição.

Outro acusarão Assis de querer branquear Passos Coelho. Mas não é essa a minha abordagem. Toda esta suavidade com Passos é o resultado da sua distância ao que de socialismo democrático houve nas escolhas do primeiro governo de Costa. E, mesmo que para meu gosto não tenha havido o suficiente, houve muito. É também um prenúncio de que não seria do CES que viria, em caso de nova viragem austeritária, qualquer posicionamento crítico ou empreendimento político inovador de consensos sociais que a limitassem.

O que o Presidente do CES nos diz nesta entrevista é que não contemos com ele para uma visão ousada, socialista democrática do Estado Social. Em nenhum ponto o seu discurso é inspirado ou inspirador, bafejado por qualquer brisa de energia reformista. Pelo que, para caminhar por aí temos que continuar a contar com o Governo, o Parlamento e algum sentido de progresso social que resulte na concertação social de alguma clarividência patronal, algum empenhamento do governo e alguma imaginação na frente sindical, sendo que nesta última, infelizmente parece que a CGTP recuou trinta anos.

O que está implícito no discurso de Francisco Assis é que em Portugal as diferenças de projeto político entre centro-direita e centro-esquerda são ténues e de pormenor. Se o PS partilhasse a sua leitura na saída da crise que aí vem cavaria a sua sepultura, assim como se a tivesse partilhado em 2015 teria impedido a vibrante ainda que incompleta recuperação social que o país teve.

Se for inspirado por esta visão, o seu mandato no CES não será impulsionador de uma nova visão para o diálogo social de que o socialismo democrático precisa como de pão para a boca. Mas, felizmente, uma das formas de ser Presidente do CES é a de ser um bom observador do trabalho dos parceiros e do governo. Olhemos, pois, para eles e para o que têm de inspirador a propor, porque da normalização da austeridade de 2011 a 2015 para interpretar que entre 2015 e 2019 não houve mudança de rumo não vem nada de bom.

3 opiniões sobre “Passos de Assis”

  1. O país deve de facto algo a Passos Coelho:
    o maior dano económico e social alguma vez infligido por um político ao seu próprio país e aos seus compatriotas, em nome de uma oportunidade de mudança para uma matriz ultraliberal, e aproveitando para culpar o PS pela maior crise financeira mundial dos últimos 100 anos!
    Será isto que quis dizer Assis?!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s