Estranha ideia de liberdade académica

1. Segundo Luís Cabral, professor na Universidade de Nova Iorque, a crítica à decisão da direção da Nova SBE, no que designa como o caso Peralta, é exagerada e unilateral. Citando: “se há liberdade de expressão deve ser para todos: seria bom que os cronistas da praça que com tanto entusiasmo se debruçaram sobre o caso Peralta respondessem também aos 67 professores do ISCTE que repudiaram publicamente — em moldes que vão muito para lá do debate académico civilizado — o trabalho de investigação de Riccardo Marchi sobre o fascismo e o partido Chega”. Opinião não é ciência mas não dispensa alguma adesão aos factos. O que, de todo, não acontece neste caso.

2. Primeiro problema com a opinião de Luís Cabral: não houve 67 professores do ISCTE a repudiar o trabalho de Riccardo Marchi, mas dez em 67 de várias universidades portuguesas. Segundo problema: a principal relação entre Riccardo Marchi e o ISCTE não é de contestação mas contratual. Marchi é investigador no ISCTE, cargo a que acedeu mediante concurso público. Indícios que não permitem associar ao ISCTE “o perigo de que a academia como colégio de professores se cerre sobre si própria numa fortaleza que efetivamente veda o acesso à variedade de opinião (ver caso ISCTE)”. Bem pelo contrário. Enfim, ligeireza opinativa que Luís Cabral não terá, certamente, no seu trabalho profissional.

3. Mas o grande problema com esta opinião de Luís Cabral é outro, que começa a ser recorrente no espaço de opinião em que se insere. Em resumo: quando Marchi se pronuncia sobre o Chega fá-lo legitimamente, ao abrigo do direito à liberdade de expressão, seja no trabalho científico, seja quando opina a partir do lugar em que se coloca, e que o próprio define como à direita do Chega. Tem razão. Mas quando outros criticam Marchi fazem-no ilegitimamente, ameaçando o direito à liberdade de expressão. Escapa-me a lógica do argumento. Os 67 não proibiram Marchi de nada, não o ameaçaram ou reclamaram o seu despedimento. Discordaram dele e contestaram o estatuto científico do seu trabalho. Luís Cabral discorda da crítica. Perfeitamente aceitável. Mas as ameaças à liberdade de expressão não são as críticas dos outros de que eu discordo. Estranha ideia de liberdade académica.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s