O dilema da direita açoriana

A dicotomia esquerda-direita não resolve o problema da governabilidade açoriana. Dados os resultados eleitorais, nem a soma de deputados do PS e do BE seria maioritária, nem a soma do PSD com o CDS e o Chega. Pelo que o futuro do poder político na região dependerá dos partidos-pivot, aqueles que tanto se podem coligar com um como com outro dos grandes partidos (PPM, IL e PAN).

Coloca-se ainda uma questão prévia à direita, a da exclusão de qualquer relação com a extrema-direita, a exemplo do que fez Angela Merkel na Alemanha. Mas essa opção implicaria para o PSD açoriano a renúncia a formar um bloco com peso suficiente para tentar governar e não há nenhum sinal de que siga por esse caminho. O PSD está, aliás, num dilema entre a firmeza contra o reacionarismo do Chega e a sede de governar de novo. Para se afirmar, o PSD quer, pelo menos com Rui Rio, ser moderado e liberal. Para voltar ao poder, pode, mesmo com Rui Rio, aceitar faustianamente abrir a porta à extrema-direita e ao reacionarismo.

A aceitação do Chega no seio de um bloco de direita foi posta em marcha logo na noite eleitoral. Mas a sua possibilidade de sucesso é remota, não por causa do PSD ou do CDS, mas porque ainda assim seria preciso que todos os partidos-pivot aceitassem essa aliança e é improvável que o PAN ou mesmo a Iniciativa Liberal troquem as suas posições cosmopolitas em várias matérias e liberais nos costumes pelo poder regional. Ou seja, serão o PAN, a IL ou ambos a resolver o dilema da direita açoriana.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s