O Silva

Em 1984, Portugal vivia em Bloco Central e um Congresso triste da Juventude Socialista a que eu pertencia tinha-me convencido que a minha energia cívica se devia dirigir a outras paragens, quando conheci pela mão da Margarida Marques e do Porfirio Silva um grupo de gente que se dedicava à solidariedade com as lutas contra as ditaduras da América Latina, num coletivo chamado Grupo de Solidariedade com a América Latina, inserido no universo de causas internacionalistas do CIDAC dirigido por Luis Moita.

Aquelas dez pessoas que faziam o GSAL e o conjunto de pessoas que conheci naquele andar da Pinheiro Chagas, mostraram-me que a militância podia ser algo feito de dádiva e desinteresse, de generosidade e empenhamento, daquilo a que hoje chamam ativismo e nesse tempo chamávamos militância.

Nesse coletivo fiz amigos para a vida e no CIDAC tive mestres que nunca esquecerei.

Como muitas vezes acontece, há uma pessoa que nos marca especialmente, com quem nos identificamos ainda não sabemos porquê quando surgem nas nossas vidas.

No GSAL foi o Silva. Inteligente e generoso, dedicado e sensível, capaz de carregar o mundo às costas e sorrir, esse responsável por El Salvador na divisão do trabalho internacionalista a que nos dedicávamos, tinha algo que o fazia diferente.

Com os anos percebi por todos os gestos dele a que assisti, pelo que conheci da sua vida, porque me tinha identificado com aquele sorriso aberto, aquela inteligência discreta, aquela sensibilidade recatada.

Passei apenas uns dois anos no GSAL, porque a chegada de Vítor Constâncio a Secretário-Geral trouxe um novo PS à minha vida e Jorge Sampaio pesquisou naquele think-tank esquerdista quadros para refazer o departamento internacional que Rui Mateus lhe tinha deixado provocatoriamente forrado de livros de Kim-Il-Sung. Lá fomos, entre outros, o Silva e eu, participar da aventura de ser do PS nos anos do cavaquismo.

O Silva partiu pouco depois para uma carreira de sucesso na promoção do comércio internacional. Passou por Cabo Verde, Bruxelas, Londres, Paris, aliando uma grande capacidade de realização e competências diplomáticas à energia militante que sempre tivera.

Tentou levar-me para essa sua aventura de defesa de Portugal, mas nisso não o consegui acompanhar. A minha vida tinha seguido outro rumo, que desembocou cívica e profissionalmente nas políticas sociais.

Foi sempre um homem a tentar perceber o que acontecera às suas ideias e ao mundo. Não partilhei alguns dos seus fascínios como a facilidade que tinha em perdoar certas coisas à revolução cubana, tendo ele conhecido o país, por cima e por baixo, por dentro e por fora, na primeira pessoa. E talvez se tenha convertido mais à terceira via do que eu gostaria, décadas mais tarde. Mas foi sempre um homem em que o coração bateu à esquerda.

Podia ter sido membro do governo de António Guterres, mas a vida familiar não o permitia nessa altura. Tenho a certeza de que teria gostado de voltar um dia à política, mas o comboio não voltou a parar na sua estação.

A ele e ao seu grande amigo de sempre Paulo Barcia se deve a obra mais abrangente até hoje sobre o partido em que ambos militaram, o Movimento de Esquerda Socialista. Um livro que conta mais do que um partido, uma geração e uma vivência, uma certa forma de viver esses anos de Abril que só conheci pelos relatos dos amigos.

Deixou ainda um livro de conversas com o seu mentor José Fernandes Fafe, em que homens de duas gerações diferentes conversam sobre o mundo que partilharam.

Em todos os encontros me surpreendia. Um dia, há pouco tempo, contei-lhe como tinha gostado de ler “Os idos de março”, para descobrir que o traduziu para português, solitário, numa tradução que não me quis mostrar.

Mas mais do que os livros, o que António Carlos Silva, o amigo Silva, o António, deixa é a impressão com que a sabedoria, o bom-senso e a lealdade pode fazer melhores as pessoas que toca.

Partilhou a vida com a Carol (“és linda como o sol”, dizia) que põe o mesmo empenho, a mesma crença e a mesma generosidade nas suas causas. São dois seres humanos lindos.

Eu tenho o privilégio de ter sido tocado por ambos. Mas hoje é dia de falar dele. O amigo que esteve sempre comigo. A cuja solidariedade devo não terem sido tão difíceis alguns dos piores anos da minha vida.

Um dia telefonou-me a pedir um empréstimo de uma quantidade de dinheiro que eu de todo não tinha. Prometi-lhe que arranjaria o que conseguisse. Abriu a sua gargalhada e disse-me que só tinha amigos pobres, mas nem todos disponíveis a abrir mão da sua pobreza para o ajudar. Não foram poucas as vezes em que um pretenso jornalista me colocava questões difíceis, a que o político não teria prazer em responder. Só a gargalhada o traía, repito.

Passámos, em almoços regulares e em longas caminhadas, em revista as nossas vidas, o país e o mundo. Vimos mais que uma vez o futuro que viria.

Mas não vimos que um erro nas células nos impediria de concretizar o projeto que desenhámos e redesenhámos de escrever um livro de conversa entre um jovem em abril e uma criança de abril.

– O pai partiu, disse-me a Sara.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s