A PSP e o processo judicial ao cartoon

Porque é a PSP tão sensível a um cartoon de um jornal satírico? Não é credível que os seus altos comandos não antecipem que esta queixa associa a instituição a limitações da liberdade expressão. Também é improvável que a hierarquia ignore que há bases factuais sobre as quais elaborar caricaturas que associem alguns dos seus membros a comportamentos racistas e movimentos de extrema direita. Parece, pois, um tiro no pé.

Continuar a ler “A PSP e o processo judicial ao cartoon”

Salário mínimo? Lembrem-se de Ford, o dos automóveis

Há um compromisso sobre a trajetória do salário mínimo que passa pela continuação da sua subida.

As associações empresariais parecem estar prontas a rediscutir essa trajetória, tentando travar o aumento previsto. Essa visão enferma de dois erros fundamentais.

Continuar a ler “Salário mínimo? Lembrem-se de Ford, o dos automóveis”

Ameaças e coação são – e já eram – crime

É notícia que um grupo desconhecido (secreto? Clandestino? Disfarçado) ameaçou por mail cidadãos ativistas de uma causa política e procurou coagir um órgão constitucional na pessoa de três deputadas. Quer as ameaças quer a coação são crimes tipificados à décadas e punidos pelo Código Penal.

Continuar a ler “Ameaças e coação são – e já eram – crime”

O Parlamento vai curvar-se perante o PR. Poderia também curvar-se perante o bom-senso.

Como é sabido e já aqui foi criticado, o PS e o PSD decidiram que havia excesso de momentos mediáticos no seu escrutínio ao governo e prescindiram quase totalmente do debate parlamentar com o Primeiro-Ministro, como se não fosse primariamente perante este que aquele tem que responder. Mas o Presidente da República pôs o dedo no ar e convidou o Parlamento à reflexão.

Continuar a ler “O Parlamento vai curvar-se perante o PR. Poderia também curvar-se perante o bom-senso.”

Madeira Luís, uma formiga da liberdade

Há pessoas que nos impressionam à primeira vista e para sempre. Compreenderão todos os que conheceram Francisco Madeira Luís que, tendo tido na vida o privilégio de beneficiar do seu sorriso aberto e apesar de ter visto em diversos países e ocupações diferentes pessoas espetaculares, partilhe aqui essa impressão.

Continuar a ler “Madeira Luís, uma formiga da liberdade”

A Covid19 e a queda da esquerda na realidade

No fim da legislatura passada, as forças políticas à esquerda tiveram a ilusão de que a geringonça tinha sido uma experiência datada, fazendo cada uma os seus balanços de ganhos e perdas com ela, em ritmo de autópsia.

O PS, em particular, interpretou a combinação da sua subida eleitoral com o não reforço dos setores à sua esquerda como um sinal para governar com menos constrangimentos e regressar à técnica de zigzag de antigamente, ora surfando uma oportunidade à direita, ora atuando sozinho com umas abstenções negociadas na 24.ª hora, mas sobretudo colando-se ao Presidente da República para retirar espaço ao PSD, criando um bloco central real, com a perversidade acrescida de passar-se ao lado do poder legislativo.

Por uma vez o otimismo de António Costa foi traiçoeiro. O seu plano é um governo para três legislaturas e a sua estratégia era fazê-lo em subida eleitoral permanente. Ou seja, repetir a carreira de Cavaco Silva. Mas repetiu a sub avaliação dos obstáculos que o próprio Cavaco Silva tinha feito. E, claro, não poderia antecipar que a Covid19 lhe cairia em cima. Mas qualquer perturbação séria induzida pela realidade exterior teria o efeito que teve a desaceleração económica depois de 1991 sobre Cavaco Silva.

Continuar a ler “A Covid19 e a queda da esquerda na realidade”