Não há escola pública à distância

1. A resposta à pandemia obrigou ao fecho das escolas. Porque numa primeira fase não havia alternativa e porque, na prática, muitos pais decidiram retirar os filhos da escola mesmo antes do seu encerramento. Não vou discutir se as escolas já deveriam ter aberto ou não. Apenas sublinhar os custos do seu encerramento e da substituição do ensino presencial pelo ensino à distância. Porque são custos que temos que pesar na tomada de decisão e porque é necessário pensar como recuperar minimamente o tempo do encerramento para minimizar os efeitos negativos que este já teve.

Continuar a ler “Não há escola pública à distância”

Racismo, preconceito, discriminação

1. Quando se quer perceber os modos como o racismo opera continua a ser útil regressar a textos hoje clássicos, como os de Robert K. Merton, um dos gigantes da história da sociologia. Merton argumentou que a análise do racismo ganha em distinguir duas componentes do fenómeno: o racismo no plano das ideias, ou preconceito, e o racismo no plano dos comportamentos, ou discriminação. A utilidade desta distinção deve-se a uma razão simples: ao contrário do senso-comum, não é verdade que ideias racistas se traduzam sempre em comportamentos racistas, como também não é impossível que existam comportamentos racistas mesmo entre quem não partilha ideias racistas.

Continuar a ler “Racismo, preconceito, discriminação”

Nacionalidade, reparação, efeitos perversos

[Artigo publicado no jornal Público, em 26 de maio de 2020, e aí disponibilizado apenas como conteúdo exclusivo.]

Foi um erro alterar em 2013 a lei da nacionalidade com objetivos de reparação histórica, é legítimo corrigir a lei alterada quando a sua avaliação revela consequências negativas não intencionais mas de grande amplitude e é demagogia acusar de antissemitismo quem defende estas posições.

Continuar a ler “Nacionalidade, reparação, efeitos perversos”

Máquinas de desigualdade

A crise não atinge todos os países por igual, nem somos todos iguais perante a doença. Internacionalmente, a crise é assimétrica e, internamente, a crise e a reação à crise são máquinas de produção de desigualdade. Por isso é preciso dosear as políticas e recusar a lógica única de otimização da proteção sanitária.

Ler mais em Público, 13 de abril de 2020
(texto escrito no âmbito de uma parceria com a Associação Portuguesa de Sociologia)